Notícias


 NOTA PÚBLICA 05 FOPROP 2017

 

O Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação (FOPROP) vem a público manifestar preocupação e expressar repúdio à forma como a Polícia Federal atuou na operação “Esperança Equilibrista”, levando a depor, de forma coercitiva, o Reitor da Universidade Federal de Minas Gerais (Jaime Ramirez), a Vice-Reitora (Sandra Goulart), o ex-reitor Clélio Campolina, a ex-vice-reitora Heloísa Starling e outros docentes. As denúncias de ilícitos e irregularidades precisam ser investigadas de acordo com os princípios constitucionais do estado de direito, sem condenação prévia e execração pública dos investigados e de suas instituições. A condução coercitiva é uma medida extremada e excepcional, devendo ser utilizada nos casos de resistência e obstrução das investigações. A midiatização das operações produz danos irreparáveis na reputação dos indivíduos e das instituições. As universidades públicas têm sido duramente castigadas pelas campanhas difamatórias. A desastrosa operação “Ouvidos Moucos” na Universidade Federal de Santa Catarina resultou na trágica morte do Reitor Luiz Carlos Cancellier Olivo.

O FOPROP repudia as ações abusivas da Polícia Federal contra as universidades públicas e seus gestores. Manifesta sua solidariedade à toda a comunidade acadêmica da UFMG, em particular a seus dirigentes e ex-dirigentes.

 

Brasília, 06 de dezembro de 2017.

 

Diretório Nacional do FOPROP




< Voltar para as notícias